Páginas

25 de jun de 2012

MÁQUINA DE COSTURA





Olá Meninas,

A nossa máquina de costura é antiguinha. Mainha ganhou de meu pai logo depois do casamento, isso em 1943. Puxa, faz muito tempo e até hoje ela está aqui. É uma lembrança viva do  meu tempo de criança , adolescência... enfim a história de toda uma vida. Uma máquina de costura nos remete a um tempo que passou e que deixou saudade. E  finalmente abri a máquina de costura da minha mãe. Já é um bom começo para  quem estar com vontade de aprender a costurar. Não tenho pretensão de fazer grandes costuras. Apenas  fazer o básico.  E essa minha vontade mobiliza a todos nesta casa.
 Mainha olha  para a sua velha companheira, surpresa por vê-la aberta e suspira saudosa. E diz que sente tristeza por que já não sabe mais fazer o que fazia com tanta maestria e eu lembro arrependida do tempo em que ela queria ensinar-me e eu sempre protelava, dizendo depois aprendo e o tempo passou e não aprendi. Mas infelizmente é assim. Quando somos jovens pensamos ser  donos da vida. Senhores do tempo. "Eternamente jovens". Mas que ilusão! A vida é um sopro! Mas só nos damos conta... bem mais tarde. Quando um belo dia nossos heróis e heróinas envelhecem e vem a inversão dos papeis. Precisam do nosso AMOR, CARINHO, ATENÇÃO, RESPEITO E COMPAIXÃO. E não é só isso. É muito mais. Quem convive com um idoso entende bem essa necessidade de proteção e aconchego que eles têm. Um ser totalmente indefeso. Tanto quanto um bebê. Neste mundo  tecnológico e as pessoas ocupadíssimas sem tempo para compartilhar a alegria e a juventude passageira com aquele ou aquela, que  um dia fez sua vida mais bonita. Permanecendo distantes e ausentes do convívio com aquela que já vive seu último estágio da vida. Gente, o idoso gosta de carinho, palavras amorosas que faça eles sentirem-se GENTE, assim como eu, como você como todos nós. Se você ainda tem a felicidade de ter um idoso na família. Doe AMOR. Saiba que isso só vai fazer bem e a você mais ainda.  E o coração do vovô agradecido.
Divaguei um pouco, mas como ia dizendo, incentivei-a a sentar-se diante da sua velha amiga e matar a saudade, protestou um pouco, mas sentir que queria fazer isso. Pediu os óculos, levantou-se do sofá e encaminhou-se para a máquina de costura. Estávamos, eu e Luiz nos batendo para enfiar a mesma. E mainha sentada então nos ensinou do alto dos seus 93 anos com as mãozinhas cansadas como fazer. Ficamos emocionados e ligeira registrei clicando e agora divido aqui com vocês.
Ela não vai costurar, mas um simples gesto, uma recordação anima, dar vida,  ilumina e alegra os seus dias já sombrios.
Torçam por mim meninas. E aproveito para pedir SOS a Leslie nesta nova empreitada, Rsrs.
Beijos alinhavados,

Bel

17 de jun de 2012

TOALHA DE MESA DE CROCHÊ COCA

CORINA com 15 anos
E aqui comemorando 90 anos
Olá Meninas,


Esta semana fiquei toda feliz. O motivo foi a minha cidade no "Globo Repórter".  Ilhéus é mesmo uma cidade linda em belezas naturais. Breve farei uma postagem homenageando a mesma. Aguardem viu.
E não tem jeito, estou sempre voltando ao crochê. Mas como um dos objetivos deste blog também é divulgar trabalhos desta Família Arteira lá vamos nós.
E a ARTEIRA da vez é a minha Doce Tia Corina. A ela hoje faço a minha homenagem.
Titia, você partiu, mas nos deixou um fecundo legado:  A sua história de vida, as suas costuras e o seu maravilhoso crochê. O seu amor, o seu carinho, o seu afeto e seu cuidado que tinha para com todos, saiba que tudo  que semeaste cresceu, floresceu nos nossos corações. Costurar era um dom nato. Transformava roupas usadas em belos trajes dignos de serem vestidos e exibidos em qualquer ambiente festivo. Assim era  Coca, como muitos dos seus netos a chamavam.
E assim estou postando esta bela toalha de crochê vermelha. Que me foi cedida a foto por sua filha Syneide. Aqui eternizo, embelezo e divulgo para todas que  aqui "passeiam".
Que sirva de inspiração para as crocheteiras de plantão.
Beijos nostálgicos,

Bel